barra-vela1.jpg

Triunfo de François Gabart, o mais Jovem Skipper na Clássica Volta ao Mundo

f1 macifvencedor hpO herói da vela francesa chama-se agora François Gabart, ao chegar a Les Sable D’Olonne com o seu 60 pés “Macif” à frente, ao fim de 78 dias de regata e terminar a Vendée Globe 2012/13 uma semana mais cedo do que estava previsto e num final em luta cerrada com o “Banque Populaire”.


Sempre perseguido por outro francês, Armel Le Cléac'h, no “Banque Populaire”, desde que passou o Cabo Horn e entrou no Atlântico Sul, Gabart soube escolher muito bem o seu percurso, mais direto e sempre com vento. Le Cléac’h ainda conseguiu aproximar-se cerca de 60 milhas e navegar algumas vezes mais veloz do que o seu adversário no “Macif”, mas não chegou para o apanhar.
No dia 27 o estado do mar em Les Sable D’Olonne estava de tal modo, com vento de 40 nós e vagas de 3 metros, que as autoridades marítimas proibiram os barcos de recreio de saírem do porto. Apenas a organização saiu para dar as entradas.
François Gabart cruzou a linha de chegada às 15 horas, 18 minutos e 40 segundos, estabelecendo um novo recorde em solitário à Volta ao Mundo, com 78 dias, 2 horas, 16 minutos e 40 segundos, batendo o recorde de Michel Desjoyeaux por 6 dias 00 horas 53 minutos. Gabart navegou 28.646,55 milhas a uma velocidade média de 15,3 nós, para fazer uma distância teórica do percurso da Vendée Globe 2012/13 com 24.393,41 milhas. Foi dele também a maior distância percorrida em 24 horas, que efetuou no dia 10 de dezembro, ao fazer 545 milhas a uma velocidade média de 22,7 nós.
Na história desta Vendée Globe vai ficar também a luta que os dois primeiros fizeram, sobretudo no "match racing" que disputaram nos mares do sul, durante quase três semanas, ora um ora o outro, a liderar a regata.
E o final foi também emocionante, pois a distância entre os dois, era tão pequena, que qualquer percalço que Gabart tivesse, o seu perseguidor apanhava-o. Assim, apenas 3 horas depois de Gabart terminar a sua volta ao mundo, surgiu Armel Le Cléac'h no “Banque Populaire” a cruzar a linha de chegada às 18 horas, 35 minutos, e 52 segundos. Ele termina a regata em 78 dias 5 horas e 33 minutos, com uma diferença atrás de Gabart de apenas 3 horas, 17 minutos e 12 segundos. Esta é a menor diferença de sempre entre o vencedor e o segundo classificado na história da Vendée Globe.
No final, Armel contabilizou uma velocidade média de 14,9 nós para navegar 28.056,55 milhas.
Deve-se destacar também nesta Vendée Globe o facto destes dois veleiros nunca terem navegado muito longe um do outro, pois o “Banque Populaire” o máximo que conseguiu estar à frente do “MACIF” foram 263,14 milhas, em 28 de novembro e depois o “MACIF” distanciou-se do “Banque Populaire 273,99 milhas, em 14 de janeiro.
Quanto aos veleiros mais próximos do final da Vendée Globe, o terceiro é agora Alex Thomson no “Hugo Boss” que já entrou no Golfo da Biscaia e encontra-se a cerca de 600 milhas da chegada., ultrapassando Jean-Pierre Dick no “Virbac Paprec” que sem a quilha no seu barco navega a 12 nós apenas para tentar aproximar-se da costa de Portugal e depois decidir se desiste ou continua para Les Sables D’Olonne, para terminar a regata.
O quinto classificado é o “Syner-Ciel” que se encontra a passar Cabo Verde, seguido de perto pelo “Gamesa”. O “Mirabaud”, o “Akena Vérandes”  e o “Acciona 100%” vão a mais de 2.000 milhas do líder que é agora o “Hugo Boss”.
O último continua a ser o italiano Alessandro Benedett no “Team Plastique”, que está a passar o paralelo do Rio de Janeiro e encontra-se a 3.900 milhas.